Worshop com o americano Tom Worrel
Música e cultura de Nova Orleans

Nova Orleans é muito conhecida por ser o local de nascimento do jazz – essa forma de arte  exclusivamente americana que surgiu há mais de 100 anos, quando músicos afro-americanos absorveram elementos musicais europeus e criaram um som único. Até hoje em Nova Orleans, pode-se curtir jazz em quase todas as esquinas.

o artista

Além de ser uma das atrações do Jazz & Heritage Festival de 2019 ao lado da banda Mo’ Fess, também foi destaque no Piano Night da House of Blues – que contou com nomes como Ellis Marsalis e Jesse McBride. Tom Worrell trabalhou com personagens importantes do cenário local, artistas como Jumpin Johnny Sansone, JMonque’D, Mem Shannon & The Wild Magnolias (Bo Dollis Sr e Bo Dollis Jr), Deacon John, Marva Wright, John Fohl, Shebe Kimbrough, Brother Tyrone, Walter Wolfman Washington, 101 Runners, Big Chief Monk Boudreaux, entre outros.

Anos antes, logo após passar por uma formação musical na Universidade de Iowa, se aventurou como multi-instrumentista e vocalista em algumas bandas de rock. Se  reencontrou artisticamente no final dos anos 1980, quando foi contratado para uma turnê como músico de apoio do soulman Solomon Burke. Através de Sammy Mayfield, líder da banda de Burke, conheceu a música de Professor Longhair e James Booker. Essa orientação foi uma espécie de despertar que definitivamente mudaria sua forma de tocar, assim como definiria sua atuação: “Depois de ouvi-los, eu decidi que precisaria aprender a tocar daquele modo, ou pelo menos tentar. Desde então trabalho no estilo do piano de New Orleans e continuo nesse caminho até hoje”, revela o músico.

É difícil tirar Tom de casa. Em New Orleans, o músico é uma das figuras carimbadas da cena local, onde ele pode ser visto tocando em bares como Maple Leaf, Tipitina’s, Side Bar, Little Gem, entre outros. Porém, não é comum assisti-lo em shows solo fora da cena da cidade onde vive. Extremamente arraigado a sua rotina na mais cosmopolita metrópole da Louisiana, Tom é apaixonado pela vida que leva em Nola.

A vinda ao Brasil se dá principalmente pelos laços de amizade com o pianista gaúcho Luciano Leães, com quem já dividiu o palco algumas vezes, e mesmo responsável por ciceronear seu primeiro tour no Sul do Brasil. Para breve, Tom prepara o lançamento de um single solo, além de ter agendado novas gravações em New Orleans e Porto Alegre, acompanhado dos Big Chiefs, banda que dá suporte a Leães e também fornece a base para a digressão do norte-americano quando não fizer seus shows solo.

participação especial

Considerado um dos melhores e mais atuantes músicos ligados ao blues e R&B da atualidade. Nas palavras de Bob Lohr, pianista do guitarrista Chuck Berry por mais de 10 anos: “Luciano é um dos mais surpreendentes músicos do rhythm & blues e teclados ao estilo de New Orleans. Ele toca tão bem e com tanta alma que se você, no caso, também for um pianista, após ouvi–lo, vai ficar afim de duas coisas: abandonar ou praticar. Definitivamente um dos melhores caras que tocam no estilo clássico de New Orleans…”

Há mais de 5 anos o pianista brasileiro cumpre uma agenda regular de apresentações por bares, casas de espetáculos, eventos e grandes festivais no país e no mundo. Por quatro vezes laureado com o Prêmio Açoriano de Música, seu CD de estreia, The Power of Love (2015), é um importante testemunho de sua produção autoral como músico e compositor. O álbum foi mixado e masterizado em Nashville, Tennessee (EUA), por Russ Ragsdale. O engenheiro de som e produtor norte-americano crava no currículo colaborações com Michael Jackson, Muddy Waters, Leon Russell, Edgar Winter, Travelling Wilburys, entre outros.

Leães já dividiu o palco com importantes artistas do blues internacional, nomes como Carey Bell, Magic Slim, Earl Thomas, Hubert Summlin, Larry McCray, Wee Willie Walker, John Primer, entre outros. Na posição de sideman (músico de apoio), Leães excursionou pelos Estados Unidos e Europa com a cantora Annika Chambers, ganhadora do Blues Music Awards 2019 como Melhor Cantora de Soul/Blues.

No final de 2018, lançou uma versão ao vivo de Song for JB, single resultante da gravação de show realizado ao lado da Orquestra Unisinos Anchieta. Regida pelo maestro Evandro Matté, o tema teve arranjo de Alexandre Ostrovski Junior. A música ganhou première na rádio norte-americana WWOZ, uma das mais renomadas do gênero, e também foi lançada num minitour pelo sul dos Estados Unidos.

Apaixonado pelo legado artístico de New Orleans, Luciano Leães prepara novo tour pela cidade norte-americana, por onde se tornou uma figura conhecida da cena local, tendo tocado em mecas do blues norte-americano como o Maple Leaf. Para os próximos meses, o músico prepara um novo trabalho de retorno as raízes da música negra norte-americana, mas ainda busca incursões e cruzamentos com a sonoridade do Caribe, se debruça na herança platina ao qual o RS compartilha, como também colhe afluências no espólio musical do folclore sul-brasileiro

data e horário
26 de setembro de 2019, 19h

local
Fundação Ecarta (Avenida João Pessoa, 919 – bairro Farroupilha, Porto Alegre/RS)

entrada franca