Histórias de vida
Oficina de escrita criativa no jornalismo

Tem como propósito trabalhar e estimular a criatividade no texto jornalístico. A ideia central é e procurar uma maior liberdade na escrita jornalística. Para isso, serão trabalhados fundamentos de escrita criativa (conceitos como subtexto, catarse, verossimilhança, figuras de linguagem) e também os conceitos básicos do texto jornalístico. Também, utilizar todas essas ferramentas para contar a história de vida de outros e, por que não, a própria.
As aulas serão expositivas e também funcionarão como um grupo de escrita. Um dos objetivos também é perder o medo de escrever, de expor o texto e se arriscar mais nas narrativas. A programação aqui apresentada pode, e vai, ser discutida em aula, sendo que a proposta é realizar uma construção horizontal do conteúdo. O professor se disponibiliza também para encontros individuais para discussão de assuntos específicos ligados ao texto.

datas e horários
Aos sábados – 7, 14, 21 e 28 de julho
e 4 de agosto de 2018 – sempre das 10h às 12h30

ministrante

Formado na Ufrgs, especialista em Jornalismo Digital pela Pucrs. É mestrando em Comunicação pela Ufrgs. Tem experiência em jornalismo impresso e digital, colaborando com periódicos como Correio do Povo, Jornal do Comércio e Jornal Metro. Também tem vasta experiência na cobertura cultural, sendo editor-fundador do site Nonada – Jornalismo Travessia e do Zine Travessias, publicação destinada a traçar perfis jornalísticos. Apresentou programas de rádio na extinta Ipanema, Rádio Estação Web e na Minima.fm. Também foi o responsável pelas reportagens e textos da publicação RUA SETE, do Santander Cultural, assim como um dos idealizadores do projeto editorial. Tem interesse no lado humano do jornalismo, na cultura, nos videogames como produto cultural. Tem experiência com escrita criativa, em Oficina do escritor Charles Kiefer, da Pucrs e do Espaço Metamorfose. Foi prêmio Agente Jovem do Ministério da Cultura, em 2012. O Nonada – Jornalismo Travessia foi tema de artigo de pesquisa do Itaú Cultural em 2010 e entrou para o mapa de jornalismo independente da Agência Pública em 2016. Foi menção Honrosa no Prêmio Ari 2016 na categoria Reportagem Cultural. Em 2017, o Nonada foi um dois finalistas do Prêmio Parceiros da Escrita, da AGES.

investimento
Valor: R$ 150,00
Obs.: Mínimo de 10 alunos

programação

Encontro 1 – Dia 7/7
Conceitos de memória, história oral e identidade. Exemplos de cartas clássicas na literatura e na literatura de não ficção. Na atividade, faremos um exercício de memória/realidade/ficção.

Encontro 2 – Dia 14/7
Conceitos fundamentais para a escrita criativa, como subtexto e verossimilhança. Elementos da narrativa e o universo ficcional também serão expostos, como os tipos de narrador e sua importância para a narrativa. Exercício de escrita ficcional.

Encontro 3 – 21/7
Elementos básicos da escrita jornalística. Intersecção com elementos de narratividade de caráter ficcional. Discussão sobre a objetividade, público (para quem e para quê você está escrevendo?. Exercício de escrita jornalístico-literária.

Encontro 4 – 28/7
Perguntas a serem realizadas quando se está trabalhando em um perfil. Qual caminho seguir? O valor do perfil, a questão de que “lado” focar. Exemplos clássicos de perfis, leitura e planejamento para o começo de produção de um perfil.

Encontro 5 – 4/8
Leitura da produção dos perfis e histórias de vida realizados pelos alunos. Avaliação da possibilidade de publicação em âmbito digital.