Um firme e vibrante NÃO

Apresenta obras de mais de 40 artistas de distintas gerações e procedências. A força destes trabalhos está na contestação política e comportamental, no desafio à autoridade, no humor e na recusa aos padrões culturais dominantes. Uma produção animada pelo espírito questionador da contracultura, pelos movimentos marginais e pela crítica ao establishment.

A mostra parte de uma coleção de trabalhos dos anos 1970 e 1980, de artistas, em sua maioria, brasileiros, ligados ao conceitualismo e à arte-correio, que têm no papel a sua principal mídia: revistas, jornais, livros, fotocópias, envelopes, selos, pôsteres, cédulas. Materiais de natureza gráfica que visavam extrapolar paredes de museus e galerias, escapar da censura, ativar redes internacionais e experimentar formas alternativas de circulação em proposições cada vez mais coladas à vida.

“Artistas esquecidos, coletivos que logo se dissolveram, obras que deliberadamente não se pareciam com obras de arte: o grande desafio de qualquer pesquisa sobre o período é localizar um material que, pela sua própria natureza, se dispersou e, frequentemente, se perdeu. Nesse sentido, podemos dizer que esses trabalhos cumpriram com o destino que lhes cabia”, afirma Jorge Bucksdricker, que assina a curadoria da exposição ao lado de Leo Felipe, coordenador artístico da Galeria Ecarta.

Propondo um diálogo com as iniciativas históricas, Um firme e vibrante NÃO traz a produção de artistas contemporâneos não apenas engajados na luta política, mas que também resgatam certa estética/retórica formatada após os levantes de 68. Trabalhos pautados pelo questionamento crítico e a desconstrução do naturalizado, pela recusa e insubordinação, pelo humor e o sarcasmo.

“Por contracultura entendemos não apenas as movimentações de 68, mas também suas irradiações: as ideias dissidentes e o desejo de confrontar o sistema, por meio de recusa, seja ela fuga ou luta; as práticas boêmias de poetas, pintores e roqueiros malditos; os movimentos subculturais que, assim como ocorreu com a arte de vanguarda, estão sujeitos aos processos de assimilação mercadológica e institucional”, diz Leo Felipe.

Informe o Resumo que será mostrado quando for selecionado pelo Link

curadores

Jorge Bucksdricker é graduado em Filosofia, mestre em Epistemologia e doutorando em Artes Visuais. Publicou os livros Solstícios (IEL/RS – 2005) e Pinus (Edição do Autor – 2011). Nos últimos anos, participou de exposições em Porto Alegre (Tratar de Conciliar os Olhos – 2013 e Poesia Visual Contemporânea: Delitos e Dilemas – 2009) e em Santiago do Chile (Ejercicios de Posibilidad – 2012), ministrou cursos, publicou ensaios sobre arte e literatura, editou a revista virtual Ferramentas Errantes e o zine Antes, Pelo Contrário.

Leo Felipe é jornalista, mestre em Artes Visuais e coordenador artístico da Galeria Ecarta, tendo assinado a curadoria das exposições Objeto: Som (2011), Sobre Amanhã (2012), Os Nau Caminhos de Roger Canal (2013) e Chico Machado: Aparelhos que fazem Zóing!. Com o artista Alexandre Navarro Moreira, apresentou a performance AUTACOM no Espaço Maurício Rosenblatt, em Porto Alegre (2013), e no EAC, em Montevidéu (2014). É diretor da rádio on-line minima.fm. Tem dois livros de ficção publicados, Auto (2004) e O Vampiro (2006), e o livro de memórias A Fantástica Fábrica (2014), que conta a história do reduto underground porto-alegrense, Bar Garagem Hermética, do qual foi um dos fundadores.

Em cartaz
Abertura
2 de dezembro, terça-feira às 19h

Visitação
de 3/12/2014 a 31/01/2015, de terça a sexta, das 10h às 19h; sábado, das 10h às 20h; e domingo, das 10h às 18h.
Entrada franca

informações
51-4009-2970

local
Galeria Ecarta (Av. João Pessoa, 943 – Porto Alegre)